Bem-vindos a Beirais – uma bela aldeia a 80 km de Lisboa que não vais conseguir encontrar

Bem-vindos a Beirais

A nova série de longa-duração da RTP, Bem-vindos a Beirais, é a aposta da estação para o horário nobre. Mas “Beirais” não existe… Por isso, se a procurares por esse nome, nunca a vais encontrar. Continua a ler que vais prceber tudo!

Eis uma breve apresentação da série: Bem-vindos a Beirais conta a história de Diogo Almada (Pepê Rapazote), um homem íntegro e bem-sucedido que se vê forçado a abrandar o seu ritmo de vida. Afectado por graves problemas de stress e ansiedade, abandona a cidade e muda-se para a pacatez da aldeia de Beirais, onde vai dedicar-se à agricultura. Diogo Almada esforça-se por se adaptar a um lugar que nada tem a ver com o seu: costumes, mentalidade, forma de vestir, tudo é diferente do que está acostumado. Entretanto, enquanto tenta moldar-se à realidade de Beirais, terá ainda de gerir a relação à distância com a namorada, Teresa (Sandra Santos), que recusou acompanhá-lo na mudança de vida. Em Beirais, Diogo acaba por se apaixonar por Clara (Oceana Basílio), uma das sócias de uma casa de turismo de habitação da aldeia.

Eu não costumo ligar a programas de televisão. Passa-me completamente ao lado… Abro uma excepção pelos motivos que passarei a explicar. O que sucede é que, como escrevi atrás, “Beirais” não existe. Quer dizer… Existe uma aldeia assim. É, aliás, uma linda aldeia, bem mais bonita do que aquilo que mostra o ecrã. Não há ali truque, não houve “arranjos cosméticos” para embelezar um cantinho da terra para mostrar um sítio bonito na televisão, nada disso. A aldeia é, repito, ainda mais bonita do que mostra a televisão.

O que não existe é mesmo o nome Beirais. A aldeia chama-se Carvalhal, e é a sede de Freguesia do Carvalhal, pertencente ao Concelho do Bombarral, Distrito de Leiria, Região Oeste, 15 km a Sul de Caldas da Rainha. Carvalhal é conhecida na região por ser uma espécie de “pequena Óbidos”, pelas parecenças que apresenta com a Vila de Óbidos, de que dista uns escassos 1o km.

Facto digno de nota é que os estabelecimentos comerciais onde se desenrola parte da acção: mini-mercado, funerária, etc. existem mesmo, e estão abertos ao público. Carvalhal tem mesmo uma banda e uma colectividade, tal como a Beirais da série. E nos arredores também existem estufas, tal como na televisão se vê.

Do ponto de vista logístico, o Carvalhal é um lugar perfeito: uma aldeia não muito grande, mas que tem algumas infra-estruturas raras num local da sua dimensão. Tem alguma vida, pois tem os seus próprios “arredores”, que são as zonas que cresceram ao redor deste pequeno centro histórico, e as aldeias vizinhas, que pertencem à Freguesia do Carvalhal. Tudo isto com uma beleza e conservação de património notáveis.

Se tens curiosidade em visitar o Carvalhal, no fim do artigo encontrarás algumas informações que te farão ficar ainda mais interessad@.

Isto de Beirais ser, na realidade, Carvalhal, é mais um daqueles mistérios insondáveis. Descobri isto por acaso, porque oficialmente, nada é referido. Nos sites onde se fala da série não é mencionado, e no genérico da série também não (apenas é mencionado o nome da banda filarmónica do Carvalhal). Isto surgiu em conversa, há duas noites atrás, numa tertúlia de amigos numa aldeia nos arredores do Bombarral onde eu tenho o privilégio de passar alguns dias todos os meses.

Ninguém sabia os motivos para que se omita o facto desta bela aldeia não ser reconhecida como a aldeia da série de televisão. Porque seria uma mais-valia, para o Carvalhal e para o Bombarral, que a aldeia fosse reconhecida como a aldeia da série da televisão.

Será que a RTP não recebeu dinheiro pela publicidade? Será que a RTP precisa mesmo de receber dinheiro a fim de divulgar aquilo que, a meu ver, seria sua obrigação divulgar? Será que à RTP é necessário, para que a série cative audiência do meio rural, que esta não possa ser reconhecida, porque é preferível que as pessoas julguem que Beirais possa ser uma qualquer aldeia do seu distrito, ou da sua região? Um amigo meu afiançava-me que, na série, Beirais passa por ser uma aldeia alentejana. Não sei. Será que, se for esse o objectivo, de fazer passar Beirais por uma aldeia alentejana, agradam mais ao público do próprio Alentejo, que assim se identifica com a série? Será que é porque assim mantêm mais a ideia de isolamento (que é falsa, pois a aldeia está a menos de 5 km da A8, e a apenas 80 km de Lisboa), que parece ser tão cara à produção?

Não sei responder… Mas uma coisa sei: a aldeia do Carvalhal teria tudo a ganhar em que as pessoas soubessem da sua existência. Mas, como se tornou norma, em televisão, a mentira e a omissão são omnipresentes…

Assiste à série Bem-vindos a Beirais aqui.

Artigo n’a Gazeta das Caldas sobre a série Bem-vindos a Beirais.

Para uma visita ao Carvalhal…

No Carvalhal encontra-se o Santuário do Senhor Jesus do Carvalhal. Tem lá uma imagem de Cristo à qual, segundo se diz, cresce o cabelo. Aqui está o link para o site do Senhor Jesus do Carvalhal.

A escassos 3 km do Cravalhal está situada a Quinta dos Loridos, onde se encontra o Buddha Eden, Jardim da Paz. Eis o link para o site do Buddha Eden.

Além desta quinta, que tem o lindo jardim da paz, na região do Bombarral poderás visitar mais quintas, integradas na Rota dos Vinhos do Oeste.

Sítio oficial da Junta de Freguesia do Carvalhal.

Sítio da Câmara Municipal do Bombarral.

Uma sugestão é visitar o Carvalhal no âmbito  de uma viagem à Lourinhã, a Óbidos ou a Caldas da Rainha.

Em alternativa, pode enquadrar a visita numa viagem à Serra de Montejunto, que tem no município vizinho do Cadaval a maior parte da sua extensão.

Visita o sítio da Câmara Municipal do Cadaval.

Tu podes partilhar:Share on FacebookShare on LinkedInShare on Google+Share on TumblrShare on StumbleUponTweet about this on TwitterShare on RedditPin on PinterestEmail this to someonePrint this page
p5rn7vb