Qual a diferença entre ananás e abacaxi?

Vou dissipar todas as tuas dúvidas: vamos saber, sem qualquer margem para dúvida, quais as diferenças entre ananás e abacaxi. Mas antes, um breve interlúdio… Sou defensor da língua portuguesa. Gosto muito da sua riqueza e das suas possibilidades. Aprecio a sua particular versatilidade e clareza. Quem não se sabe exprimir bem é que encontra defeitos e mal entendidos. Nunca encontro dificuldades para exprimir as minhas ideias com clareza, que possa atribuir à lingua. O único problema, a existir, será no meu domínio do idioma. Vou generalizar: quem não encontrar uma forma clara de se expressar em português, não culpe o idioma. Culpe o seu próprio domínio da língua.

Vamos agora conhecer as diferenças entre ananás e abacaxi

“Mas então e as diferenças entre ananás e abacaxi?” Calma, leitor, que já lá irei. Há um motivo para esta introdução… Não gosto de estrangeirismos, por norma, nem de palavras inúteis. Tampouco gosto de invenções de gente que pensa que sabe e, afinal acaba por disseminar a ignorância. E com o ananás e o abacaxi sucedeu isso: a ignorância tem sido de tal ordem que eu agora vejo nos supermercados escrito nas descrições dos frutos “abacaxi”, vejo sumo de abacaxi, etc. Quando, na realidade, o fruto a que se referem é sempre, invariavelmente, o ananás. Sim, é sempre ananás que se vende por aí. Como ficará claro em seguida.

Diferenças entre ananás e abacaxi

Vou agora a explicar qual a diferença entre ananás e abacaxi. Como podes ver na imagem acima, com absoluta clareza, o fruto da esquerda é um ananás, e o da direita é um abacaxi. As diferenças são, quando na presença dos dois frutos lado a lado, muito evidentes.
Percebes as diferenças? Não? Claro que não! Porque Ananás e abacaxi são o mesmo fruto. Sem tirar nem pôr! Mais direto que isto não posso ser. Vou mostrar a definição de ananás:

O ananás ou abacaxi é uma planta monocotiledônea da família das bromeliáceas, subfamília Bromelioideae. Os abacaxizeiros cultivados pertencem à espécie Ananas comosus, que compreende muitas variedades frutíferas. Há também várias espécies selvagens, pertencentes ao mesmo género e grupo. O fruto, quando maduro, tem o sabor bastante ácido e muitas vezes adocicado. Habitualmente usa-se a polpa da fruta, mas seu miolo e as cascas podem ser utilizados para a produção de sumo.

Mais claro agora? A conversa de que o ananás é mais ácido e o abacaxi mais doce é absurda. É como dizer que a maçã é uma fruta, e a reineta é outra fruta. Porque a maçã é vermelha e lisa e a reineta é verde e um pouco áspera. São frutas diferentes? Não. São variedades diferentes de maçã. Uma uva branca de mesa e uma uva tinta trincadeira ou uma uva tinta morangueira também são tudo frutas da videira. E, como já perceberam, qualquer dessas outras frutas apresenta diferenças muito maiores, em termos de aspecto e de sabor, que as supostas diferenças entre um ananás e um “abacaxi”. Quando muito, o ananás que conhecemos aqui em Portugal e que associamos ao termo ananás é a variedade cultivada nos açores. E a variedade de ananás a que as pessoas na sua ignorância chamam de abacaxi é o ananás oriundo do Brasil, que é menos ácido.

Percebes agora porque escrevi atrás que “o fruto a que se referem é sempre, invariavelmente, o ananás.” Pela mesma ordem de razão que um comboio é sempre o meio de transporte público a que nos referimos em Portugal que circula sobre carris, que no Brasil tem o nome de trem. Em Portugal não se “pegam trens”. E no Brasil não se “apanham comboios”. Por isso, leitor, em Portugal não se vende abacaxi. Em Roma, sê romano. Capisce?

Bem, além das diferenças entre ananás e abacaxi, poderíamos explorar as diferenças entre alperces e damascos. Ou apresentar as diferenças entre maçãs e pêros (não há erro, não são pêras, trata-se de pêros mesmo, que são… maçãs). Mas há mais. Se sairmos dos alimentos e formos para outros temas… Vamos ter diferenças entre trolhas e pedreiros (Norte e Sul de Portugal), entre sotãos e forrinhos (idem), entre autocarros, machimbombos e ônibus (Portugal, Moçambique e Brasil). São apenas usos e costumes de terras diferentes. Viva a diferença! É normal, com todas as línguas. O português não é excepção. Ainda bem que temos uma língua rica!

Nota sobre o artigo

Este artigo foi inicialmente escrito em 17 de Abril de 2013, neste mesmo Website. Entretanto, lá para 2016, o site “hibernou” por algum tempo. Agora, estamos em 2019, e resolvi recuperar o site tupodes.pt, com este e outros artigos. Fica por cá, há mais artigos interessantes para ler!

Partilhar:

Deixe um comentário